EU ENSINO

Conectando experiências, desenvolvendo líderes.

  • Twitter
  • Facebook Basic Black
  • Black Instagram Icon

O PODER DA COMUNICAÇÃO POSITIVA

7

Definir a meta de manter um contato positivo com a família de cada um dos alunos ajudou uma professora do Ensino Médio a aprofundar os relacionamentos e aumentar sua própria confiança. 

 

Às vezes, as demandas do ensino podem parecer esmagadoras e pode ser fácil perder de vista a razão mais importante pela qual ensinamos: os alunos. Cada aluno é especial e merece ser apreciado por suas características únicas. Ao desenvolver um sistema para enviar recados positivos para casa regularmente, descobri que mantenho os sucessos de meus alunos em mente e dias difíceis são rapidamente colocados em perspectiva - para os alunos, suas famílias e para mim.

 

A maioria dos professores é obrigada a entrar em contato com os responsáveis  quando um aluno tem um desempenho ruim na sala de aula - academicamente, comportamentalmente ou ambos. Minha própria técnica de ensino cresceu positivamente através do contato intencional com as famílias quando os alunos têm um bom desempenho.


No início de cada ano letivo, além de montar um novo livro de notas, montei uma tabela listando todos os alunos em ordem alfabética por nome. Nas colunas, listo as datas em que faço contato com as famílias, o método escolhido (whatsapp, email, telefonema ou reunião presencial) e o motivo do contato. Ao longo do ano, sempre que preciso entrar em contato com uma família, me certifico de inseri-la na tabela. Assim, atinjo o objetivo de contatar cada família com um recado positivo pelo menos uma vez.

 

Nas duas primeiras semanas de aula, entro em contato com famílias que são novas na escola. Na minha experiência, eles geralmente têm alguma ansiedade por seus filhos estarem em um novo ambiente e sentem-se aliviadas quando ouvem, da perspectiva de um adulto, que o ano está indo bem. Também ajuda que eles tenham um contato na escola em caso de perguntas que possam surgir no futuro.

 

À medida que o ano avança, defino novas metas. No ano passado, meu objetivo era entrar em contato com metade das famílias dos meus alunos com um recado positivo até a Páscoa. Este ano, estou mudando a meta de entrar em contato com todos com um recado positivo em casa antes do final do primeiro semestre.
 

Minhas práticas de contato positivo começaram no meu segundo ano de ensino, ao enviar mensagens de preocupação para os responsáveis dos meus alunos. Percebi que, se enviasse uma mensagem positiva toda vez que enviasse uma mensagem de preocupação, poderia concentrar minha energia em reconhecer os alunos que tiveram um bom comportamento naquele dia. 

 

Agora, anos após essa ideia, tento enviar recados positivos antes que as preocupações surjam, para que cada família tenha uma história positiva para contar sobre a experiência escolar de seus filhos.

 

Alguns dos contatos mais óbvios são mais fáceis. Quando um aluno se sai excepcionalmente bem em uma avaliação difícil, como uma redação ou uma prova, entro em contato com a família. Mas as avaliações não são a única oportunidade de enviar elogios para casa. O contato pode ser sobre um aluno que se destaca em habilidades sociais: mediar uma discordância no trabalho em grupo, interagir com um aluno solitário durante a aula ou mostrar empatia por um colega que está tendo um dia difícil. O comportamento deles não precisa ser excepcional; enviei notas sobre os alunos habitualmente entrando na sala de aula e seguindo os procedimentos, concluindo com constância os trabalhos de casa e lidando com tarefas difíceis com uma atitude positiva.

 

Para garantir que nenhum aluno tenha contato apenas por motivos negativos, eu organizo as fontes da tabela em cores. Mais tarde, quando olho para ela, fica claro pelas cores quem teve nota positiva e quem teve negativa.
 

Ao definir uma meta intencional de enviar uma comunicação para casa com uma história pessoal positiva, garanto que nenhum aluno seja invisível na minha sala de aula. Ao percorrer minha lista a cada semana, posso ver quais famílias de alunos ainda não foram contatadas e posso me familiarizar com esses relacionamentos e desenvolvê-los intencionalmente. Com frequência, os alunos que recebem mais atenção são aqueles que possuem comportamentos negativos ou têm um desempenho insatisfatório nas avaliações. O resto das famílias pode não receber notícias da escola o ano inteiro, apesar da grande atitude e ética de trabalho de seus alunos. O acompanhamento intencional permite-me reconhecer esses alunos pelos hábitos que eles trazem.

 

No curso de perceber e elogiar intencionalmente as atitudes e comportamentos de meus alunos, consegui construir uma comunidade positiva entre a escola e o lar. Os pais não apenas apreciam ter um vislumbre da vida cotidiana do aluno (especialmente quando a conversa pode ser curta), mas também apreciam que o filho seja visto e reconhecido por um adulto. Saber que alguém da escola está olhando além dos padrões e notas e para ver cada criança como um indivíduo ajuda bastante na construção de relacionamento e credibilidade entre as duas partes mais importantes da educação: casa e escola.

 

Artigo adaptado por Lauren Huddleston e traduzido da Edutopia. Disponível em: <https://www.edutopia.org/article/power-positive-communication>.